Os resultados do Monitor de Comunicação da América Latina 2020 – 2021 já estão disponíveis!

12 agosto, 2021

LATIN AMERICAN COMMUNICATION MONITOR 2020-2021
ESTUDO SOBRE A PROFISSÃO DE COMUNICAÇÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES PÚBLICAS NA AMÉRICA LATINA

COVID-19 intensifica os desafios éticos, os riscos de ataques cibernéticos, a
lacuna de gênero e impõe maior profissionalização e desenvolvimento de
competências em comunicação estratégica e relações públicas na América Latina

O relatório completo está disponível para download gratuito em nossas redes sociais e no site https://latincommunicationmonitor.com. Na segunda-feira, 27 de setembro (19h – horário de Brasília), no âmbito do 36º Congresso Interamericano de Relações Públicas CONFIARP 2021, discutiremos os resultados com a comunidade de profissionais e academia. Apresentamos as 10 temáticas principais do relatório 2020-2021 e, em seguida, os dados mais relevantes de cada capítulo.

AS 10 TEMÁTICAS PRINCIPAIS DO LCM 2020-2021

1. CRISE COVID-19. Na América Latina, 80% dos que lideram a comunicação estratégica e as relações públicas reconhecem o grande impacto que o COVID-19 teve nas atividades das empresas do continente. A análise por países indica que Colômbia (64,8%), Peru (63%), Salvador e Porto Rico (60,3%) são os países com maior impacto na gestão da comunicação durante a crise do COVID-19. Com exceção do Uruguai com 44,2%, o restante supera a avaliação de 50% do tipo “Impacto Total”. Por ordem, os setores mais atingidos nesta gestão pela crise são o setor estatal com impacto de 67,9%, seguido das empresas de capital aberto (57,9%) e organizações sociais (57,6%). A função de comunicação tem sido muito importante para as áreas de trabalho relacionadas com estratégia e coordenação e, em menor medida, para consultoria. De cada dois profissionais, um destaca a gestão com a mídia e comunicação digital para enfrentar a crise. Surpreende que 37,5% dos que trabalham no setor público afirmam que eles não têm um plano de crise.

2. DESAFIOS E RECURSOS ÉTICOS NA COMUNICAÇÃO. Os desafios éticos estão cada vez mais presentes no cotidiano da comunicação na região. Os resultados destacam que uma em cada duas pessoas que exercem a profissão na América Latina têm enfrentado desafios éticos em seu trabalho diário durante o último ano, relacionados ao uso de bots para gerar respostas nas redes sociais e à exploração de dados pessoais do público por meio da análise de big data. 89% colocam seus valores pessoais para a gestão da integridade e desafios éticos acima das diretrizes éticas de suas organizações ou mesmo de diretrizes e códigos das associações profissionais. Os países que relatam os maiores desafios éticos são Brasil, Peru, El Salvador, Argentina e Uruguai.

3. CIBERSEGURANÇA. A segurança cibernética aumenta as preocupações daqueles que lideram a comunicação. Quanto ao tema da cibersegurança, a maioria dos profissionais acredita que é Global Communication Monitor (EUPRERA) | http://latincommunicationmonitor.com relevante para seu trabalho diário e quatro em cada dez já sofreram ataques cibernéticos ou incidentes de roubo de dados em suas respectivas organizações. Os profissionais que atuam nas organizações públicas são os que percebem ser mais afetados por crimes cibernéticos: 64,1% acreditam que podem ter afetados os seus sites e/ou contas de mídia social (apresentando o maior nível de vulnerabilidade em comparação com outros setores); 48% acreditam que eles são susceptíveis de paralisar suas infraestruturas digitais (por exemplo, sistemas de gerenciamento de conteúdo, computadores); 51,8% acreditam que podem ter os dados sobre seus stakeholders roubados (por exemplo, dados de contato de jornalistas, formadores de opinião, VIPs e/ou consumidores); e, por fim, 54,6% acreditam que hackers podem filtrar informações confidenciais sobre a área (por exemplo, estratégias de comunicação, orçamentos, medições). Neste último aspecto, em comparação com as empresas de capital aberto, por exemplo, a diferença é maior em 15,5%. Aliás, são as empresas de capital aberto as que aparecem como as mais «protegidas contra crimes cibernéticos».

4. DIFERENÇA DE GÊNERO. A situação de gênero na profissão continua a limitar a igualdade na América Latina. Sobre a importante questão da equidade de gênero no trabalho, o LCM informa que em mais da metade dos departamentos e órgãos de comunicação existentes em empresas da região, a maioria dos profissionais são mulheres, mas apenas uma em cada duas atinge cargos de gestão. Entre os países da região, o Brasil se destaca por apresentar a maior diferença entre a percepção de quanto a questão melhorou nos últimos 5 anos (60,9%), em comparação com apenas 8,7% que concordam que o que foi feito neste período é suficiente. Por sua vez, o Peru, em 78,5% de suas avaliações, afirma ter melhorado essas questões nos últimos 5 anos e, surpreendentemente, a Venezuela afirma que o que tem sido feito neste assunto é suficiente com 57% de acordo entre os profissionais participantes da amostra.

5. QUESTÕES ESTRATÉGICAS. Até 2023 são: “enfrentar a evolução digital e a web social” (39,4%) que se mantém desde 2016; “Utilizar big data e / ou algoritmos para comunicação” (36,8%) e explorar “novas formas de criar e distribuir conteúdo” (34,9%). Por outro lado, os temas menos relevantes são “acabar com os problemas de gênero em diferentes níveis” (16,2%) e “elevar e adaptar as habilidades de comunicação profissional” (17,4%). Quanto à importância dos canais e instrumentos de comunicação hoje e no futuro, quem comunica acredita que a comunicação móvel avança rapidamente e continuará a fazê-lo até 2023. As redes sociais, que são o canal mais importante, perdem pouca relevância até 2023.

6. DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS. Na América Latina, as mulheres acreditam significativamente em suas habilidades de negócios e comunicação, enquanto os homens valorizam significativamente mais suas habilidades de dados e tecnologia. A amostra desta edição mostra que seis em cada dez profissionais estão em níveis de liderança em suas empresas, da seguinte forma: 27,1% no setor público; 20,8% em empresas privadas, 18,2% em organizações sem fins lucrativos, 9,3% em empresas de capital aberto e 26,2% em agências de comunicação e relações públicas ou em consultoria freelancer.

7. SALÁRIO. Em geral, em 2020, os diretores/assessores de comunicação da região ganham menos do que em 2018, exceto aqueles que estão na faixa de 30 a 60 mil dólares, que cresceu 2,1%. Mais de 75% ganham menos de US$ 30.000 por ano. 14,1% recebem até 60 mil dólares de salário básico anual. Enquanto que 1,7% disseram que recebiam mais de 200 mil dólares por ano como profissional de comunicação na América Latina. Global Communication Monitor (EUPRERA) | http://latincommunicationmonitor.com

8. EXCELENTES DEPARTAMENTOS DE COMUNICAÇÃO. Na América Latina, 76,8% dos departamentos de comunicação não atingem níveis de excelência. Por outro lado, 23,2% dos departamentos executam a função executiva e consultiva de forma ideal, ao mesmo tempo em que executam as ações comunicativas com sucesso em relação a outras organizações. Se analisarmos por tipo de organização, 39,6% das empresas de capital aberto são excelentes; 20,3% das empresas privadas; 24,3% das organizações públicas e 17,4% das organizações do terceiro setor.

9. O raio-X mais completo da profissão e tendências no setor da região. Participaram da edição 2020-2021 da LCM 1.683 profissionais ativos de comunicação estratégica e relações públicas, representando 20 países da região e evidenciando a crise do COVID-19, a cibersegurança, a situação das mulheres, os desafios éticos e as novas competências. Envolveram-se na coordenação e divulgação da pesquisa 26 universidades e a maior rede de associações profissionais da América Latina. A quarta edição é patrocinada pela Universidade de Oregon (EUA), pela Universidade Latina da Costa Rica e pelo Banco Centroamericano de Integración Económica (BCIE). A seção relativa ao COVID-19 foi projetada em colaboração com o Institute for Public Relations (IPR) a partir do estudo “COVID-19: How Business are Handling the Crisis. [12-03- 2020].

10. O ESTUDO CIENTÍFICO MAIS PRESTIGIADO E MAIS IMPACTANTE EM TODO O MUNDO. O LCM é o estudo científico mais prestigiado da América Latina no âmbito do Global Communication Monitor, organizado pela European Public Relations Education and Research Association (EUPRERA) há 15 anos. Já entrevistou mais de 6.000 profissionais de comunicação em mais de 80 países e possui outros Monitores da Comunicação também na Europa (ECM), na Ásia-Pacífico (APCM) e na América do Norte (NACM).

Baixar Relatório LCM 2020-2021

Baixe o comunicado de imprensa (.pdf)

¡Compartí este articulo!

> Regresar a noticias <

Suscríbete al LCM News

Ingrese su correo electrónico para recibir notificaciones sobre noticias, descargas gratuitas, publicaciones, etc.

Informes LCM

  • LCM
  • LCM
  • LCM
  • LCM
  • LCM

Sobre el LCM

El Latin American Communication Monitor (LCM) tiene por objetivo contribuir al desarrollo disciplinar y profesional en COMUNICACIÓN ESTRATÉGICA Y RELACIONES PÚBLICAS, evaluando las tendencias y cambios que se están produciendo. Desde 2013, la investigación ha visibilizado sistemáticamente la función de los comunicadores de habla hispana y portuguesa en el mundo, empoderando así a los profesionales dentro de sus organizaciones, al igual que a las asociaciones del sector dentro de su entorno social. Cumpliendo con los más altos estándares académicos, una red de investigadores de las 26 más prestigiosas universidades configura el marco del estudio sobre teorías y resultados de investigaciones científicas internacionales de primer nivel.

Organiza

  • LCM

Patrocinan

  • LCM
  • LCM
  • LCM

Apoyan

  • LCM
  • LCM
  • LCM
  • LCM

GLOBAL COMMUNICATION MONITOR

Esta investigación junto al European Communication Monitor, el Asia - Pacific Communication Monitor y el North American Communication Monitor conforman el Global Communication Monitor que dirige el Prof. Dr. Ansgar Zerfass (Leipzig University, Alemania): el mayor y más prestigioso estudio mundial, con 15 años de antigüedad, resultados de más de 80 países y 30 mil profesionales participantes.